• Matheus P. Oliveira

Dica do Dia | Alice Não Mora Mais Aqui (1974)


Martin Scorsese é mais conhecido por seus filmes sobre a máfia e por sua extensa parceria com Robert De Niro. Caminhos Perigosos, Taxi Driver, Touro Indomável, Os Bons Companheiros e Cassino são alguns de seus trabalhos mais famosos. Há, porém, um que é tão especial quanto estes cinco, mas que não é muito comentado: Alice Não Mora Mais Aqui. Ele não é sobre máfia, nem é atuado por Robert De Niro, mas é sobre uma aspirante à cantora chamada Alice, interpretada por Ellen Burstyn. Alice é casada e tem um filho. Sua vida doméstica, sendo uma eterna rotina, abafa o seu antigo sonho de ser cantora, e a relação complexa entre seu filho e marido contribuem para isso. Certo dia algo acontece, destruindo então a estabilidade da vida de Alice. Com um perfeito equilíbrio, Scorsese consegue oscilar entre a dura realidade de um mulher à procura de emprego, e os belos e curtos momentos que a vida proporciona. Possui, além disso, um faro apurado para inserir elementos cômicos e trágicos na hora certa, sem transformar o filme num besteirol ou num melodrama; como a vida, ele é preenchido por momentos bons e ruins. Aos que assistirem a Alice Não Mora Mais Aqui de relance, talvez não o reconheçam como uma obra de Martin Scorsese, por não possuir aquela sua famosa transgressão dos filmes de máfia; os movimentos de câmera, por sua vez, podem soar familiares. Mas apesar de tudo, Alice Não Mora Mais Aqui é uma das obras mais sublimes da década de 70, e a performance de Ellen Burstyn lhe rendeu um óscar (totalmente merecido, é claro). Obs: preste atenção numa comovente cena em que Alice está na cama com seu marido. Nela, está a prova de que Martin Scorsese é um diretor imensamente sensível e poético.

Alice Não Mora Mais Aqui (Alice Doesn't Live Here Anymore - EUA, 1974) Direção: Martin Scorsese. Roteiro: Robert Getchell. Elenco: Ellen Burstyn, Kris Kristofferson, Diane Ladd, Harvey Keitel e Jodie Foster. Duração: 112 minutos.